A última lembrança de nós dois


Eu acordei de manhã me sentimento a mesma. Tentei me lembrar há quanto tempo não sorrio daquele jeito; do jeito que só você me leva a sorrir. Estava chovendo e o céu sabe quanto eu amo a chuva. E também sabe que quando já estamos de coração partido, ela torna o dia mais triste. Mas os casais pareciam felizes por aí afora e não é tão difícil fingir que ali somos nós dois, sorrindo como se fosse o último dia de nossas vidas. Mas depois de um segundo tomada pelo êxtase da minha imaginação, me afundo na mesma realidade de que você não está aqui. Não mais. E ali não somos nós dois.

Me esforço diariamente para não apagar a última lembrança que tenho de você. De seu sorriso, da sua voz, do seu toque, dos seus olhos. Infelizmente nada disso tenho agora, e não tenho certezas para afirmar quando terei novamente. Mas por enquanto, minha memória diz bastar. Diz e repete bastar. É que de todas as lembranças - fofas, tolas, tristes, lindas - que tenho de você, aquela é a que mais diz quanto a nós dois; quanto ao quebra-cabeça que somos nós: peças tão diferentes, mas que se encaixam perfeitamente e formam uma única e harmônica paisagem. E enquanto as pessoas contam suas histórias de amor, eu, em segredo, penso sobre a minha.

Algo tão inesperado, que tem tanta repercussão na minha vida e deixa tanta saudade. As pessoas acham que tem vidas perfeitas, amores perfeitos, mas não consigo imaginar nenhum casal mais feliz do que nós dois possamos ser quando estamos juntos. É que a saudade é essencial, as mensagens são essenciais, o abraço de reencontro é essencial e não é todo mundo que tem isso. As pessoas parecem tão felizes, mas se elas soubessem como é ser nós dois, era isso que elas iriam querer. Como na última vez que nos vimos.

O jeito que me olhou pela última vez revelou coisas que nenhuma palavra no mundo já pôde explicar. E como me fez feliz de uma maneira que ninguém jamais conseguiu é outro fato inexplicável.  A intensidade do que temos, a ligação que temos, tudo está girando em torno da minha cabeça enquanto suplico para não esquecer. A verdade é que não é somente uma lembrança sobre nós dois; é também uma lembrança de quando eu me redescobri em você, e me descobrindo, pude ser quem eu realmente sou.

As vezes me faltam palavras quanto à isso, mas foi algo muito intenso a última vez que estivemos juntos. É do tipo de coisa que a gente fotografa e escreve atrás, relata em uma folha e guarda a sete chaves. Mas eu prometi que não iria esquecer jamais daquele dia e vou honrar minha promessa. Enquanto faz o mesmo, vamos nos mantendo um na mente do outro, até o dia que poderemos nos rever pra fazer novas lembranças, e mais lembranças e depois uma rotina, de nós dois, juntos, unidos, apaixonados, como nesta última vez. 

2 comentários:

Comentários sujeitos a moderação.
Será excluído qualquer comentário que declare preconceito ou que seja ofensivo e pejorativo.

CF/88: Art. 5°, IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

Camille Reis. Todos os direitos reservados.©
Design e codificação por Sofisticado Design