"Felizes para sempre"


Certamente, já ouvimos demais a expressão: “E eles foram felizes para sempre…” Parando para refletir, o que está alicerçado nessa frase é uma perfeita felicidade, uma vida sem problemas, sem sofrimento ou tumulto. Mas o que chama atenção é o tempo desse acontecimento: o final. Seja em estórias infantis, seja em filmes; seja em relacionamentos ou grandes conquistas, a mensagem da frase está na conclusão de algo, no finalmente, no encerramento de tal situação. Será que nossa felicidade só existirá, de fato, ao findar algo?

Nossa vida é uma grande escola onde aprendemos com os erros e acertos, e nosso maior prêmio é a oportunidade de sermos melhores a cada experiência, de seguir adiante quando as dificuldades nos paralisam, quando buscamos equilíbrio diante de tantas situações que nos aprisionam. Isso sim é a busca intensa da felicidade plena, a força que nos move para sermos “felizes sempre”.

Portanto, tomemos fôlego para prosseguirmos na corrida em busca da alegria maior, àquela fruto de nossos esforços e conquistas. Deixemos de lado os contos de fadas, onde apenas ao final a felicidade pode ser sentida. Apostemos e experimentemos a felicidade cotidiana, que nos leva passo a passo a descobrirmos que impossível é não sermos felizes diante de tantas coisas que temos e vivemos gratuitamente, a começar pela nossa vida. E que não é necessário o fim para estarmos realizados, pois nosso caminho inicia-se pelo começo, pelo ponto de partida. Digamos e vivamos então “Sempre felizes”, em vez de “felizes para sempre”.

Solte-se para uma vida feliz, sempre! Deixando solto, o amor alcançará!

Rita Reis é psicóloga. Sua coluna "Deixando Solto" traz temas da realidade que nos leva à reflexão. Mande sua sugestão de tema em contato e no campoassunto  coloque "Para: Ritinha - sugestão de tema". Saiba mais sobre Rita na página da equipe e acompanhe o blog para ver mais textos desta diva! 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários sujeitos a moderação.
Será excluído qualquer comentário que declare preconceito ou que seja ofensivo e pejorativo.

CF/88: Art. 5°, IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

Camille Reis. Todos os direitos reservados.©
Design e codificação por Sofisticado Design