O egoísmo nada acrescenta!


Bem verdade que é difícil entrar em contato com essa pergunta, e mais ainda, com a resposta a depender qual seja: sou egoísta?   O egoísmo sempre foi visto como uma coisa normal e aceitável. Podemos definir como egoísta aquele que deseja receber mais do que dar, parecendo até ser um jeito de ser da própria pessoa.

Todas as crianças nascem e crescem com tendência ao egoísmo, pois são paparicadas e servidas quando pequeninas, e dependem disso para afirmar suas vontades. Mas faz parte da passagem à idade adulta o abandono deste modelo.  À medida que iremos crescendo, as responsabilidades aumentam e o individualismo tende a surgir decorrente de um comportamento em que é preciso satisfazer as necessidades, mas nunca sem abrir mão de pensar nas outras pessoas, sem perceber que outros estão ao redor.

O egoísmo se torna contrário à generosidade. Tanto o egoísmo como a generosidade vêm acompanhados de várias outras características. O egoísta é interesseiro, intolerante à frustração, é extrovertido, simpático e agradável por interesses pessoais, e não tem sentimento de culpa.  A generosidade acrescenta algo ao próximo, podendo ser considerada a virtude do desapego.

É preciso ficar de olho nas situações em que o comportamento começa a atrapalhar o convívio social, afastando as amizades e dificultando o relacionamento.  Nessa situação, a grande pedida é a análise dos sentimentos, a percepção de qual lugar o outro está ocupando em sua vida, e mais ainda, o que te deixa preso ou apegado, não permitindo a gratuidade e o prazer de servir ou doar (doar-se) sem recompensa.

Esse é um grande exercício de convivência: encontrar no outro uma parte de você, àquela que foi partilhada, não a que sobrou, mas a que complementou a necessidade de alguém. Partilhe coisas, palavras, sentimentos, diversão, emoção e dúvidas. Divida sua escuta, habilite-se a doar e a receber. Multiplique gentilezas, adicione amigos, divida suas virtudes e diminua sua vontade em querer apenas TER. Queira SER...pois deixando solto, o amor alcançará.

Rita Reis é psicóloga. Sua coluna "Deixando Solto" traz temas da realidade que nos leva à reflexão. Mande sua sugestão de tema em contato e no campoassunto  coloque "Para: Ritinha - sugestão de tema". Saiba mais sobre Rita na página da equipe e acompanhe o blog para ver mais textos desta diva! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários sujeitos a moderação.
Será excluído qualquer comentário que declare preconceito ou que seja ofensivo e pejorativo.

CF/88: Art. 5°, IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

Camille Reis. Todos os direitos reservados.©
Design e codificação por Sofisticado Design