Não foque nas limitações e sim nas possibilidades


Viajando interior à fora, na paisagem verde e silenciosa da natureza, fiquei a pensar quantas coisas deixamos de viver e fazer porque acreditamos não sermos capazes de realizá-las, por acharmos que nenhum caminho está apontado na direção dessa realização. E assim, seguimos colocando nosso próprio limite, uma barreira que muitas vezes bastava imaginar ou sonhar com o tão desejado acontecimento para sentirmos que sempre existem possibilidades a serem descobertas quando apostamos em nós mesmos.

É lamentável não nos darmos o direito de ao menos começar, tentar, insistir, para que qualquer conclusão seja realmente válida, atestada, sentida e finalizada. De fato, as possibilidades só serão descobertas quando partirmos para a ação, senão, ficarão apenas no plano do  desejo, ou ainda, no mais cruel dos sentimentos: a dúvida.

Portanto, sempre que algo lhe inspirar, não foque nas limitações e sim nas possibilidades. Assim você terá a oportunidade de planejar e buscar meios concretos em busca dessa realização, caso contrário, ficará se lamentando se daria ou não certo. Descartar baseado nas limitações só tem validade quando as possibilidades já foram esgotadas, e todas sem sucesso.

E assim, continuei o caminho em busca pelo destino traçado e pude presenciar uma pequena possibilidade em meio a tantas limitações, mas foi essa menor parte que sobressaiu na realização de um grande sonho, talvez não igual aos nossos, ou ainda, jamais compreendido quando não comungamos dos mesmos desejos e objetivos, mas iguais na alegria e paz que sentimos com a felicidade do outro: após tantos anos sem enxergar e com limitações físicas oriundas desse problema, encontrei uma menina-moça, na flor da idade, fora da sala de aula em pleno horário escolar, sozinha no jardim do pátio da escola, e quando questionada o porquê de não estar aprendendo o “bê-a-bá” , escutei e meditei: “ô moça, já perdi tanto tempo porque não enxergo as coisas! Agora não quero mais ser limitada. Quero sentir minhas possibilidades. E aqui, tocando e sentindo o cheiro das flores, eu imagino cada uma delas. Pelo menos imaginar e sonhar eu sei que posso!”    

E saí comovida com essa resposta adulta e madura, refletindo que limitação para uns é possibilidade para outros, e que a beleza da vida está em transformarmos essas limitações em grandes acontecimentos.  E complementei minha reflexão com uma frase que minha filhota afixou na sala, como que fazendo parte da decoração da casa: “100% de esforço quando houver apenas 1% de chance”. Busquemos nossas realizações... todo nosso foco deve ser em busca disso: ser feliz! Isso é possível!

Deixando solto, o amor alcançará!

Rita Reis é psicóloga. Sua coluna "Deixando Solto" traz temas da realidade que nos leva à reflexão. Mande sua sugestão de tema em contato e no campoassunto  coloque "Para: Ritinha - sugestão de tema". Saiba mais sobre Rita na página da equipe e acompanhe o blog para ver mais textos desta diva! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários sujeitos a moderação.
Será excluído qualquer comentário que declare preconceito ou que seja ofensivo e pejorativo.

CF/88: Art. 5°, IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

Camille Reis. Todos os direitos reservados.©
Design e codificação por Sofisticado Design