A beleza dos romances...


Talvez eu esteja começando a entender a beleza dos relacionamentos de livros e filmes, daqueles que a gente chora do começo ao fim e dá uma pontadinha no peito de uma vontade de viver aquilo, sentir aquele sentimento e ter alguém que olhe para você de um modo tão lindo. A beleza da arte que troca experiências constantes com a vida, e ninguém sabe quem veio primeiro, mas a gente sabe duas coisas: 1) O amor é lindo; 2) Aquilo não vai acontecer com a gente.

Mas bem que a gente queria.

É lindo e nos faz chorar, mas a beleza de todo aquele amor declarado, de todo aquele drama e da história está simplesmente no fim. O simples fim. Eu sempre soube que nada dura pra sempre. Tudo tem um fim. E a maneira com que encaramos o fim é o que mais importa em toda a história. Amo finais. Os finais envolvem muito de nós. Envolvem nossa maneira de lidar com as perdas, nossas capacidade de adaptação e de começar do zero, e claro, revela a maturidade que existe em nós. Em outras palavras, nos revela.

Talvez, eu esteja começando a entender coisa simples: Titanic é tão lindo porque foi um amor de verão, algo que se colocou tanta paixão que se o Jack continuasse vivo o filme não seria tão lindo (mas eu acho que havia espaço para ele na  madeira). A Cinderela, mesmo que seja uma história que promete um fim infinito, acaba. Acaba na parte perfeita. Acaba quando tem que acabar. Na hora exata. Eu estou começando a entender que é isso que faz os romances tão bonitos. O saber terminar.

Somado a isso, existe toda uma paixão por trás da voz que conta a história. Ficamos fascinados em ouvir uma história de amor contada com tanto amor. Quer dizer... Qualquer história de amor minha poderia dar um belo romance. É só enfeitar alguns detalhes e transformar todas as lágrimas em um pró maior, todo o sofrimento em uma coisa boa e o fim em um encerramento excelente.

Para nossos fins, nos resta duas saídas: ou encará-los de maneira negativa, ou procurar achar sempre algo bom naquela situação. E isso só depende de nós. E se quisermos fazer um romance bonito do nossos relacionamentos (da nossa vida), temos que fazer que nem todos aqueles que contam suas histórias pra nós: ser positivos. Quem sabe?


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários sujeitos a moderação.
Será excluído qualquer comentário que declare preconceito ou que seja ofensivo e pejorativo.

CF/88: Art. 5°, IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

Camille Reis. Todos os direitos reservados.©
Design e codificação por Sofisticado Design