Teu olhar me disse


Não me olhe de novo daquele jeito. Aquele olhar doeu, ardeu, sufocou, magoou, arranhou, latejou, me matou por dentro. Nunca mais me olhe assim. Nunca mais. Coloque um óculos escuro, feche os olhos com força, vire o rosto para lá; mas daquele jeito, não. Nunca mais me deixe a pensar o quanto eu sou insignificante na sua vida. Nunca mais me faça perceber que eu não faço diferença e que sou um nada e que você vive bem sem mim. Nem sorria sem graça ou com vergonha do que diz seu próprio olhar. Quer saber? Nem me olhe mais! Quero que seus olhos esqueçam os meus. Não quero mais te olhar, também (quero, mas não desse jeito). Quero esquecer o jeito que me olhou, esquecer teus olhos e de você por completo. Vou te deixar virar passado. Um passado bom, bem vivido, mas que acabou com um olhar desses que abre uma ferida. Um tipo de ferida que você disse que jamais abriria. Disse, inclusive, que estaria ao meu lado pra manter meu coração sempre limpo e saudável. Era uma mentira, hipocrisia ou o que? Seus olhos não me disseram nada naquela época. Mas foram bem claros naquele olhar. Acabou com tudo o que tinha de mim. Você pode até me reconstruir, se quiser. E se eu quiser, porque meu mundo toca no meu ritmo. Faça o que eu mando: esqueça aquele olhar que é como uma faca entrando, e me olhe como alguém que cura. Me olhe com ternura, com afeto, amor. Me olhe como quem quer me fazer sua. Me olhe como uma criança olha para um brinquedo novo ou como um artista olha pra sua obra. Fite seus olhos em mim pra me arrepiar, me deixar uma boa curiosa. Me olhe com olhos de quem vai mandar mensagem mais tarde e querer conversar comigo pelo resto da vida. Me olhe com um sorriso bobo, intrigado, intrigante, apaixonado. Me olhe como mereço ser amada. Me olhe como um olhante, um olhudo, um olhado, um alojado em mim. Já ouvi dizer que uma das maneiras mais bonitas de declarar amor a uma pessoa é através do olhar. A partir do momento que conseguimos escutar um "eu te amo" com os olhos - sem precisar de palavra alguma - tem-se um amor verdadeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários sujeitos a moderação.
Será excluído qualquer comentário que declare preconceito ou que seja ofensivo e pejorativo.

CF/88: Art. 5°, IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

Camille Reis. Todos os direitos reservados.©
Design e codificação por Sofisticado Design