Irradie


Sonhar não me define.
Sou um aspirar maiúsculo e singular
Sou um abrir de asas ante um voo longo
Sou o amar em forma de migalha
Jogada em terra, inundada por uma tempestade,
sou a árvore que cresce no jardim em busca de refutar a vida.
E um contra-ataque do vento que leva o que deve ser multiplicado por um número próximo ao 8.
Sou a vida durante as manhãs e
a música cantada pelos pássaros que ainda dá pra escutar do portão de casa.
O cinza ainda não levou tudo o que minha cognição é capaz de almejar com os sentidos
Deixou até a mim.
Sou um beijo no meio do filme e a cena final que deixou em aberto uma contração
Tampouco sou o fôlego que enche seu pulmão
Sou seu suor e a minha própria tendinite.
Sou o arquear das sobrancelhas e levantar dos outros músculos da face,
tão como as rugas que ei de inventar
Sou em essência, minha própria sombra e
a causa da velocidade em que a luz se propaga,
mas também o vácuo que não permite que se ouça o canto do sonhar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários sujeitos a moderação.
Será excluído qualquer comentário que declare preconceito ou que seja ofensivo e pejorativo.

CF/88: Art. 5°, IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

Camille Reis. Todos os direitos reservados.©
Design e codificação por Sofisticado Design