E mesmo assim ainda quero amar


Eu  me abstive de sentimentos. Arranquei parte do meu coração para fora do peito. Se perguntarem o motivo: fui machucada. Se dizem que o amor chega pra fazer bem, por que sinto tanta dor depois de amar? O coração se regenera depois de arrancado um pedaço. É esse o sentido de amar? Se machucar e depois deixar nascer um coração novo? Sou imatura demais pra entender essas loucuras de quem quer participar desse mar de emoções, por isso me tirei dessa praia.

Quando olho ao redor tudo está embaçado, nada é claro ou nítido. A vida talvez seja um borrão e nós é quem precisamos buscar as lentes certas para enxerga-lá. Possivelmente eu tenha colocado as lentes erradas, porque todo mundo parece feliz, enquanto eu só quero não sentir nada. Um mínimo nada.

Mas bem sei o esforço que as pessoas têm para não mostrar o inverno dentro delas, para sorrir e dizer que está tudo bem. Infelizmente, não consigo ser assim. Se estou triste, me deixe sentir o fundo do poço, me deixe chorar e segurar meu coração nas mãos. Assim, quem sabe, eu não encontre uma finalidade para esses momentos melancólicos da vida. Quem sabe eu não me encontre em uma dessas lágrimas que caem para não deixar subir a cabeça a tristeza de se apaixonar.

E mesmo assim ainda quero amar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários sujeitos a moderação.
Será excluído qualquer comentário que declare preconceito ou que seja ofensivo e pejorativo.

CF/88: Art. 5°, IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

Camille Reis. Todos os direitos reservados.©
Design e codificação por Sofisticado Design