Jogo do desinteresse


Ia terminar aqui dizendo que sinto muito por tudo o que não aconteceu entre nós. O que aconteceu foi muito bom, mas isso já deixei pra trás; o passado não importa pra mim. Nosso erro foi a omissão. O não fazer, não falar, não convidar, não puxar papo na madrugada mesmo que o outro estivesse on-line no WhatsApp, não se importar nem fazer carinho. Eu não entendo esse "gostar" moderno; virou um jogo de desinteresse. Quem mostrar menos interesse, ganha. Mas o problema é que o prêmio mudou.

Antes, a gente queria amor, a gente queria fazer o outro feliz e ser feliz junto, a gente queria carinho e atenção; mas hoje, me parece que o prêmio é ser o menos envolvido na relação. Difícil é dizer que gosta, que sente saudades. Se for assim, parabéns, você ganhou. Esse é um jogo o qual eu não quero jogar, porque não me interessa em nada o não gostar.

Termino afirmando, ao invés de lamentando o que não aconteceu, que eu fiz o meu possível. Eu tentei gostar de você. Mas é impossível sentir algo tão puro por alguém que ainda está na fase de jogos, e ainda precisar amadurecer para perceber que no jogo do amor não existem regras e que a vida é pra valer. O desinteresse não leva ninguém pra frente, mas congela cada um dos participantes em um tempo instável e angustiante. Por isso, não quero, nem nunca quis, fazer parte disso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários sujeitos a moderação.
Será excluído qualquer comentário que declare preconceito ou que seja ofensivo e pejorativo.

CF/88: Art. 5°, IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

Camille Reis. Todos os direitos reservados.©
Design e codificação por Sofisticado Design