Desentendi


Minha ausência ninguém sente. Mas eu também não sinto mais nada. Por isso me extraio. Por isso que tudo o que acontece ao meu redor eu desentendo. Não quero mais. Desisti dos modelos e das palavras, agora sou só silêncio, porque assim escuto minha alma gritar. 

Não me lembro se alguma vez na vida eu me senti compreendida. Disse pra psicóloga já: eu sei que você não vai entender. E pra minha mãe: eu sei que você não vai entender. E para as minha amiga: eu sei que você não vai entender. E pra você que está lendo: eu sei que você não vai entender.

Ao contrário de mim, meus pensamentos não têm pé nem cabeça. É um emaranhado de coisas em um mar sem fim. Aprendi a fazer relaxamento antes de dormir e isso vêm me ajudado bastante. Eu fecho os olhos, deito bem reta e respiro. 

Parar pra perceber a nossa respiração (coisa que nunca fiz) faz com que a gente se perceba. Quanto mais profunda a respiração, no mais fundo de nós chegamos. E eu, chego a conclusão de que é tão difícil que me entendam porque outras pessoas respirarem fundo não vão chegar dentro de mim. Não existe meditação alheia. 

E pra fazer ainda menos sentido, eu adormeço no meio do vagão da minha meditação e só acordo feliz na manhã seguinte. Até lembrar que ninguém além de mim vai me entender. Depois de um tempo (dias, meses ou anos) percebemos que a gente se basta. 

Medite pra se entender. Não precisa entender o mundo, nem que o mudo lhe entenda. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários sujeitos a moderação.
Será excluído qualquer comentário que declare preconceito ou que seja ofensivo e pejorativo.

CF/88: Art. 5°, IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

Camille Reis. Todos os direitos reservados.©
Design e codificação por Sofisticado Design