Os incomodados que se mudem


Mudar. Verbo regular dissílabo da primeira conjugação. Vem do latim mutare.  Deriva das nossas ações, atitudes e pensamentos. Não é um ponto de partida; este, o pensamento. Mudar é ação temporal sobre nós e ação nossa sobre o tempo. É uma transitividade e uma intransitividade complementar. É diferir-se de si mesmo. Transformar-se.

Apesar da possibilidade de conjugação do verbo no imperativo, o mudar parte exclusivamente do eu lírico. Pense bem. Há tantas coisas nos outros que gostaríamos que mudassem, certo? Até mesmo em situações que passamos em nossas vidas que nos incomodam e determinados aspectos da nossa realidade. 

Em certos contextos, a gente não mede esforços para mudar o que está ao nosso redor incomodando. Falo por mim; quantas vezes não me deparei com situações que desejei mudar. Me dediquei, me angustiei, me empenhei para transformar tantas coisas na minha vida e me demorou para perceber que meus esforços estavam sendo somados ao lado errado da história. 

Gandhi aprendeu e repassou a lição mais rápido do que eu: “você deve ser a mudança que você quer para o mundo”, e a partir disto, construímos nosso eu. Todas as nossas energias devem ser dedicadas a nós mesmos. Isso não é ser egoísta, muito pelo contrário. Investir na sua melhor versão é também um bem para aqueles que vivem ao seu redor. 

Sendo assim, qualquer que seja a mudança que esperamos nas pessoas, nas nossas vidas e no mundo, devemos fazer em nós. Viver bem é nos situar elegantemente diante da nossa existência. O que nos incomoda não tem que mudar. O que tem que mudar é a nossa forma de lidar com aquela situação ou mesmo a forma com a qual a enxergamos.

Em síntese, devemos apreender que, de fato, os incomodados que se mudem, mas não para fugir dos problemas e circunstâncias, e sim aprender a enfrenta-los, transformando-se, para que vivamos em paz mesmo diante dessa loucura da vida. "Mudar" não se refere a um lugar, mas um estado mental de incômodo. Nossa pretensão é sempre estar bem, e para isso, devemos ser pessoas ativas, não apoiadas na espera de que a mudança venha por fatores externos, pois ela não vem; ela floresce de dentro de nós.

2 comentários:

  1. Letícia Santos29 agosto, 2017

    Verdade. às vezes queremos que as pessoas mudem, mas nós é quem temos que mudar. "A paz no mundo começa em mim"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente! Tudo começa dentro de nós!

      Excluir

Comentários sujeitos a moderação.
Será excluído qualquer comentário que declare preconceito ou que seja ofensivo e pejorativo.

CF/88: Art. 5°, IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

Camille Reis. Todos os direitos reservados.©
Design e codificação por Sofisticado Design