Repense e não elogie


Este domingo (08) no Fantástico, tivemos um verdadeiro show de horror. Aqui estou eu para falar de uma das reportagens que vi, que não concordo em nada com ela, mas que uma fala em específica me levou à indignação. Estela Renner, diretora de um documentário que estreia essa semana, critica o ato de elogiar uma menina de "princesa", pois isso seria, segundo ela, fortalecer o esteriótipo de "loira, delicada, branca e de olho azul". Pasmem.

Tenho que dizer, mas a querida Estela atingiu o ápice da estupidez humana, que vêm marcando toda uma sociedade com ideias ignorantes, hipócritas, contraditórias e preconceituosas (e não falo aqui do racismo, mas sim de formar conceitos antes de uma etapa interessante chamada "informação") que se aproveita das pessoas que se contentam em um saber banhado tão somente no senso comum para disseminar esses pensamentos.

Mas, acima de tudo, acho que a querida Estela precisa se atualizar nos filmes da Disney antes de fazer um documentário. Primeiro porque a própria ideia de que princesas são loiras, brancas e delicadas já foi ultrapassado por personagens marcantes como Moana e Tiana, que protagonizam filmes de sucesso mundial. Em segundo lugar porque se eu chamo uma menina de cabelos cacheados, pele negra e olhos castanhos de princesa eu estou reforçando pra ela a ideia de que ela, do jeito que é, é uma princesa. E isso, querida Estela, cria um efeito oposto do qual a senhora prevê.

Eu fico muito indignada em ver as pessoas com tamanha ignorância e falta de informação a ponto de afirmar uma coisa dessas. Pedir para repensar o elogio é tirar o foco do simples "pensar" de onde ele realmente deveria estar: nos diversos acontecimentos ruins que estamos passando no Brasil e no mundo. Elogios, minha cara Estela, não sei se você os recebeu, mas são sempre bem vindos. Não são eles que deveremos repensar, e sim, no que é relevante e útil.

O que devemos repensar é o caminho que a nossa sociedade está tomando, que coincide com as tantas previsões de fim de fundo que estão fazendo por aí. Sim, é o fim do mundo, porque estão se acabando os valores, os limites, o bom senso e o respeito; está se acabando um dom do homem (quer dizer, agora não posso nem dizer "homem", pois estou sendo machista, né? Tenho que dizer "pessoa", porque isso faz muita diferença no meu texto) de pensar.

Está, a sociedade, simplesmente absorvendo informações inúteis, como a que passou na indignante reportagem do Fantástico, e achando que isso é ter opinião.

Então elogiem... elogiem como quiserem: linda, princesa, inteligente, alegre... qualquer elogio faz crescer, inclusive críticas (porque acho que devem ter mudado a genética das crianças da minha geração para a atual, que não podem escutar nada negativo que ficam traumatizadas, ao contrário de mim que escutei muitos consertos dos meus pais e ao invés de trauma, ganhei educação). O que não merece elogios em toda essa história é o declínio da nossa sociedade, que não vale nem a pena falar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários sujeitos a moderação.
Será excluído qualquer comentário que declare preconceito ou que seja ofensivo e pejorativo.

CF/88: Art. 5°, IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

Camille Reis. Todos os direitos reservados.©
Design e codificação por Sofisticado Design