Uma solidão que é só minha


Quantas vezes me senti sozinha e ninguém apareceu pra me ajudar? Quantas vezes não precisei de ajuda, mas estava rodeada de pessoas?

Uma verdadeira contradição. Na minha cabeça, o que acontecia era que na hora da felicidade, na hora que estamos bem e sociáveis, todo mundo se aproxima, chega junto, quer ser amigo, quer ser feliz. Mas na dor... cada um já tem sua própria dor, não tem que sentir a dor do outro, né?

Só que eu percebi que não é bem assim. É assim, um pouco assim, mas um tanto diferente. De fato, quando estamos em um momento bom de vida atraímos mais pessoas para nosso convívio, pois ficamos mais atrativos. A gente sai mais, conversa mais, diverte mais, cativa e aceita a companhia do outro.

Por outro lado, quando estamos em momentos tristes ou difíceis, ficamos introspectivos e, querendo ou não, isso afasta um pouco. Mas além disso, o interessante é perceber que certas coisas não são compartilháveis. São íntimas e caracterizam batalhas pessoais que só podemos enfrentar sozinhos e ao superar esses obstáculos, ganhamos forças.

Certos fardos que levamos não temos como dividir com ninguém. Por mais que a gente queira e que o outro queira ajudar, determinadas coisas são nossas; só nossas. E precisamos passar por essa solidão para reforçar nosso “eu” como pessoas resilientes, fortes e independentes.

Por muito tempo eu sofri com essas contradições da vida e me custou perceber que, quando estive sozinha enfrentando meus problemas, era porque aquela era a MINHA dor, e eu precisava viver e superar por conta própria pra conseguir dar a volta por cima. E quando eu me via rodeada de amigos sem “precisar” daquele apoio tamanho, era exatamente o momento que eu necessitava de amigos e Deus, como bom pai, já mandava anjos antes mesmo de eu sentir a solidão chegar.

De fato, algumas contradições da vida jamais vamos compreender. Basta entregar na mão de Deus que ele saberá quais batalhas lutaremos sós e quais batalhas contaremos com amigos. Entretanto, de uma forma ou de outra, não podemos esquecer que nas nossas amizades e na nossa solidão habita Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários sujeitos a moderação.
Será excluído qualquer comentário que declare preconceito ou que seja ofensivo e pejorativo.

CF/88: Art. 5°, IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

Camille Reis. Todos os direitos reservados.©
Design e codificação por Sofisticado Design